13 de jun de 2008

QUEM

( “quem não sabe que a mulher é uma invenção do homem, o negro, do branco, o pobre, do rico, o sul, do norte; o homo, do hetero; a consciência, da inconsciência; o consumidor, do mercado; o excluído, do incluído, sequer começou a se inventar, e ainda não existe.” Jacques Lacan, seminário 0, 333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333 )
Quem não coisa
amor de sombras
nas palmas-mãos
do dar-se a conhecer ?

Quem não trouxa
uma contrariedade
nas hierarquias do aproximar de
ao deixar-se levar?

Quem não mármora
um tornar a renascer
nas esteiras do estar
o rosto a euficar?

Quem não asfalta
uma lacuna de estar
nas vagas do mim/ti
o sonho de unificar?

Quem não pedra
o coração do viver
nas aranhas de tecer
os dias de anoitecer?
Quem não terra
as minhocas de ser
nas essências do esquecer
as artes de morrer?

Quem não subjugado
o coração
de uma forma ou de outra
violou o mundo?

Quem não universa
pelo enredo do verso
nas entrelinhas dos espaços
as escritas do hermético?
Quem não areia
um caminho particular
nas multiformes do ente
as possibilidades do existir?

Quem não árvora
como quem pode
infinitamente
não continuar?

11 comentários:

renata disse...

...é luis somos tecitura do outro, mosquinhas presas nas teias dos significantes alheios...
Gostei do poema, bem estilhaçado...
olha, quando puder, passa lá no letra e fel, dediquei um poema a você.
Abraços
renata

Eurico disse...

A tantas interessantes reflexões nos remetes, Mestre? Estou a ruminar as tuas indagações e te responderei em breve em minhas postagens.
Abraçamigo.

Lyra disse...

"Quem não asfalta
uma lacuna de estar
nas vagas do mim/ti
o sonho de unificar?"

Lindissimo!!!

Beijinhos e até breve

osrevni disse...

Olá, Luiz! Realmente, mudei de endereço. Agora estou aqui: http://opensadorselvagem.org/blog/diegoviana

Grande abraço
Diego

Jacinta Dantas disse...

É poeta,
e existimos assim, em elos e laços e nós uns nos outros.
Abraços

instantes e momentos disse...

é muito bom passar sempre por aqui,é bom para ler, para aprender,porisso volto sempre.
Tenha um bom dia
Maurizio

Lyra disse...

Passei por aqui apenas para deixar um beijinho.

Até breve.

;O)

Luma disse...

Tudo bem! Eu penso esse infinitamente ao contrário! :) Beijus

Dauri Batisti disse...

Somos sujeitos produzidos e nem sonhamos com os mecanismos que nos produzem.

Germano V. Xavier disse...

Poema difícil, mestre.

É preciso ler e ler , mais e sempre.

Mas vi rotina versus dúvida.
Vi cada qual no tempo, tempo e tempo. Tempo de ser o qual será, ou ser?

Fazer ou não?
Ó, Shakespeare!
Rei meu da Dinamarca!
Olhai os outros...

Eu te abraço, grande Luis.
Força sempre.

Germano
Aparece...

arquiteliteraturas disse...

"Quem não universa
pelo enredo do verso
nas entrelinhas dos espaços
as escritas do hermético?
Quem não areia
um caminho particular
nas multiformes do ente
as possibilidades do existir?" (LUIS 2008)

Aqui, nessa vereda de ser mão na coisa ou vice-versa, sim, ali, na linguagem auto-referente, todos se arvoram em ser tão ecúmenos nas linhas de fuga da escritura hermética ou se areiam no afã de [des]cobrir o destino em que consiste o existirmos. Lá, na infinita repetição dessa dízima periódica que, (0,3333...) no sitema, desce mal aos que querem inteireza de exatidões fabricadas, já não faz ciência; faz-se dogma. O poeta, às vezes, é mais cientista. Ciente está de que acolá não se resiste às ilusões do retrato a perenizar o pó que o tempo deixou nas páticulas que atravessaram o ar "[...] nas esteiras do estar
o rosto a euficar?" (LUIS, 2008).

Grande Luis, ceci n'est pas une pipe, mais, com certeza, também não é meu pau. Maravilha de poema. Prazer em lê-lo. Obrigado!!!