29 de abr de 2009

surgimento

o poema não surge do acaso
não surge do amor
do ódio
da história
do desejo
- o poema não é Maomé, Buda, Cristo –
upoemasurgidavidaondituduestaincluidu

5 comentários:

YBrussel disse...

tudueinclusivitrasprazeresinominaveis...

B
Eu

Eurico disse...

Agora curtíssimos, breves lufadas poéticas.
Bom te ver de novo aqui.

Abraçamigo e fraterno.

Sabrina Mata disse...

Em poucas palavras resumiu um grande sentido... o poema é um grito preso no ar... solto pra quem nåo se limita enxergar.

Keep going...

Eurico disse...

Ah, mestre, não resisti e encaixei o teu tiziu em poema novo. Depois veja ele por lá.

E receba meu abraço.

herbert farias disse...

O poema é o antidireito.
O poema é o esquerdo que triunfa, nem tanto, porém, para que não se glorie e deteriore.
O poema é o rés do chão, sentados todos na varanda, para cantar o desenredo>
O poema é o que o mestre desescreveu ao pupilo, para que este aprenda no seu eu proscrito.