29 de jun de 2010

a classe média e o povo

entre os dois
o endeusado,
deus sempre usado,
ótico ótimo despótico
sério
engana-dor,
o saquea-dor,
e o
roubado
humilhado
ignorado
assassinado
entre os dois
entre o rico e o pobre
a classe média
é o pêndulo
se vai pra direita
é meio
imbecil
meio
cafajeste
meio
indiferente
meio
cínica
meio
metida
meio
besta

sempre no meio
da pretensão
da ostentação
da louvação
quando
no meio
da mistificação

mas
se vai
o pêndulo da classe média
pra esquerda
é meio socializante
a classe média
meio
inteligente
meio
fascinante
meio
interessante
meio
instigante

e pendula
pra lá e pra cá
pendula
pendura
na forca
o pinto
de choco
ovo
abortado
do que poderia ter sido
a gema
e nunca será
a média classe ema
nem rica e nem pobre
sem teorema
no insosso odre
algema:
repuxos
pulsos
dilemas

embora
do devaneio
a perdição comum,
se multitudinária,
incomum,
porcada vara ara vária
diabolicamente unitária
ainda que quixotesca
hilária
noturna e diária
na boceta
que ainda pulsa
na pica
que ainda pulsa
no cu
que ainda pulsa
o fluxo e o desfluxo
de entes
fora do entre
ainda impulsa
a orgia
da putaria
do raso e do profundo
mundo
de entre
tetas e tretas e letras
amplexos e complexos
reversos e inversos
revertidos e pervertidos
de sísmicos
sinais
vitais
canais
sociais
imorais
pluviais:
labuta
a puta
cérebros e pernas e braços
é polvo o caranguejo ouriço
ouço:
a lama, o caos, a luta
vejo:
bandas bandidas badernas de bandos passos
e,
de novo,
riachos de diachos
o dês-ordinário
o inclassificável
o incendiário
o revolucionário
o povo

11 comentários:

Canto da Boca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Canto da Boca disse...

Luis, cá estás a mais uma vez disparar sua metralhadora verbal, e incendiando o feno da catarse que quase sempre serve de cama para o povo brasileiro (nós), hora de viabilizar as mudanças ansiadas por todos nós, e que seu verbo sirva de estímulo para todos e todas, para a construção de uma classe acima de todas as outras: a classe dos homens e mulheres brasileiras respeitados/as e felizes!

Um beijo!

Coral disse...

uma professora de sociologia q me deu aula na graduação dizia: "classe média não existe, classe média é igual a chifre: é uma coisa que colocaram na sua cabeça". e é completamente ideológico mesmo: proletários que se acham ricos e servem de vitrine para o povo. providencial para a autêntica burguesia.

Sil.. disse...

Luis, vim agradecer seu carinho no meu blog.
Qto ao seu texto, meu sábio pai sempre diz:

Não existe a classe média.
Não existe classes.
Existe o povo, a raça, a nação.

O resto, é balela e invenção rs!

Um abraço!!

Canto da Boca disse...

Tamo com os pés no Pé de Sociologia, qual a pauta, camarada?

;)

Opuntia disse...

Como gostam de classificar o inclassificável!!!! E ainda reclassifiam: média alta e média baixa... rsrs

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do "Entre Aspas". Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Coral disse...

a classe média É o povo

Vieira Calado disse...

Há certas coisas que sempre é preciso dizer!!!

Forte abraço

Renata Bomfim disse...

Olá Luis, tudo bem?
saudades de você meu guru...
olha, passa lá no letra e fel que tem pout pourri de poesia.
Seu blog sempre inquietante...
Vou pegar sua matéria esse semestre
abnração

L. disse...

Luís que saudade, querido!
Agora vou sempre te ler por aqui.

beijos
L.