15 de nov de 2011

oprimido


os lixos da história
este poema e tantos outros
os lixos da história
de traição e de dominação,
são crimes sanguinários
artes assa-cínicas
os lixos da história,
os saberes, os dizeres e os quereres,
e não os lixos, os despojos de nojos,
mas as oficialidades, os rituais, as boas maneiras
o belo amor, a paternidade, o ser médico, presidente
professor, potente ou carente, com dente ou sem dente
a minha vidinha besta, as prestações, o eu ser hetero
ou gay, negro ou branco, criança ou adulto, mulher ou homem,
pobre ou rico, ocidental ou oriental, crente ou descrente,
os lixos da história, a liberdade, a igualdade, a fraternidade,
o primeiro colocado seja lá no que for
e também o último, e também o nem um nem outro
os lixos da história,
o moralista e o imoralista,
o utopista ou o niilista
o opressor e o oprimido
o caçador e o caçado
o patrimônio material e simbólico
a alta e a baixa culturas
os lixos da história
a imparcialidade e a parcialidade
a seriedade e a sua falta,
o corrupto e o honesto
o competente e o incompetente
o pré-moderno, o moderno e o pós-moderno
o agrário, o industrial e o pós-industrial
o alfabetizado e o analfabetizado,
os lixos da história
o humanista ou o misógino
o trabalhador formal e o informal
o pleno emprego e o desempregado

tudo é lixo da história
porque é lixo tudo que produzimos,
e que chamamos de cultura,
é lixo tudo o que designamos como bom
e o que chamamos de mal,
o limpo e o sujo,
o normal e o anormal,
tudo lixo da história,
todos nós, sem exceção,
sem exceção, ouviram,
ninguém nem nada escapam,
lixo, lixo e lixo
tudo é lixo, a generalidade,
da manada,
e a singularidade,
dos bem pensantes

tudo é lixo
enquanto existir
literal ou metafísicamente
o oprimimido






3 comentários:

Gisa disse...

Ritmo e contestação.
Gostei.
Um grande bj

Lícia Dalcin disse...

Não nego: que maior produto cultural há que o lixo? E concebê-lo, na estreiteza da moldura personae em que nos inserimos não querendo, mas devendo (a vida quando cisma não há que teimar, e o sabes) - também é - fatalmente - cultural. E - por nossa vadia e ordinária concepção de lixo - lixo.

Bj

Lícia

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Caro amigo

Enquanto houver
um único
ser oprimido,
o nome humano
não caberá a
nossa espécie...


Que a alegria
faça folia
em teu coração.