16 de nov de 2013

natal natal eixo de guerra queixo de gueixa que erra as unhas na pluma da era onde uma cabeça vazia lobotomiza a guelra que se afoga no glúteo do lobby no saque do craque em que drogado dizem ajoelhas e crerás coagulando em Um único ato Crime e castigo Aí onde Jamais poderá Pagar Pelo Que Tem Feito No Leito No Eito No Confeito Do Com Efeito Na Barafunda Que Nos Afunda Na Confusão Da Fusão Da Promessa Com Sua Traição Do Possível Com Seu Aborto De Serpentes Assim Com Cristo seja Um Vinco De lápis no Cismo do Confisco Dos Soberanos Das Transcendências Assim Nada Tem Ele Com A inquisição Que Em Seu Nome Matou Outros Cristos Giordono Bruno Assim Também Seja Marx que Em Seus Escritos De Estrelas Abelhas Operárias Não Era E Não Foi Stalin Nem Burocrática oligarquia socialista que falavam em seu nome cristo e Marx São Riscos No Horizonte De Um Cosmos Todo Nosso Porque De Ninguém Porque Sem Queixa Porque Sem Gueixa Porque Nada Nem alguém nele farão facarão serão Refém Sim Sigamos A Estrela De Belém


3 comentários:

Maria disse...

Olá Luis,

Há tempos venho tentando contato com você, pelo menos via google. Desde 2011 moro em Vila Velha. Hoje vi o seu blog. Também mantenho um http://riodasvelhas2012.blogspot.com.br/.

Agradeço a homenagem em: "Tive a felicidade de ser aluno de um professor de português, chamado Éder Simões. Ele nos apresentou a arte como artifício pelo simples fato de ter nos estimulado a ler, o que me possibilitou duas experiências artificiais com a leitura poética especialmente."(http://outros300.blogspot.com.br/2012/04/entrevista-com-o-escritor-luis.html)
Abraços,

Éder Simões
(simoes.eder@uol.com.br)

Bernardes de Moura disse...

Olá Luis, acabou que a mensagem anterior saiu no nome da Maria, pois não vi que o blogger estava logado no nome dela. Abraços. Éder.

Lia Noronha disse...

Vim conhecer o seu espaço..e estou adorando.abraços